Narrativas que dão voz às mulheres

Narrativas do Oscar: princípios do Storytelling em La La Land e Moonlight
3 de março de 2017
O que é um Manifesto? Descubra se a sua marca precisa ou não com 5 exemplos
5 de abril de 2017

Em 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Em 2017, a data marca uma greve internacional em mais de 50 países com mulheres usando cores vermelho, roxo, lilás ou rosa protestando contra a exploração das mulheres no mercado de trabalho, a cultura do estupro, desigualdade de gêneros entre outros temas.

São temáticas, aliás, que já estão em pautas por meio de discursos de outras mulheres. Separamos alguns que nos marcaram e outros que produzimos. Em comum, todos carregam um pouco de suas histórias e do ponto de transformação que as tornaram quem são.

Ano passado, por meio do discurso da Madonna, ícone feminista dos anos 80, conhecemos um pouco de suas dores e revelando a condição da mulher no entretenimento. Assista aqui uma versão legendada do discurso ou direto do canal da Billboard em inglês aqui. Para os mais apressadinhos, nesta reportagem do Nexo, dá pra ler 5 tópicos que separam momentos importantes de sua narrativa.

Outro discurso importante desta temática é o TED da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, onde ela nos questiona sobre o perigo de uma única história sobre uma pessoa, um povo e sua cultura ou até sobre seu país de origem. Você já pensou que a forma como começa a contar uma história pode mudar o rumo dela? E não são apenas as coisas negativas que formam uma narrativa de sucesso. Em outro TED Talk, ela defende que sejamos todos feministas e elenca vários pontos importantes sobre a sua experiência sendo feminista e a importância de desmistificar o que de fato essa palavra significa.

Outra voz importante neste movimento foi da atriz Emma Watson, Embaixadora da Boa Vontade da ONU ao apresentar um programa da ONU Mulheres intitulado “He For She” (Eles para Elas), que tem como objetivo a luta pelos direitos de igualdade dos gêneros e dos direitos da mulher no cenário atual.


Se fosse para elencar por aqui, certamente encontraríamos discursos de muitas outras mulheres que podem não ter viralizado mas tem a mesma importância para esta discussão.

Por aqui, priorizamos a história de mulheres na série #minhanarrative, onde ouvimos em 1 min um pouco sobre o que é importante para elas.

Teresa Pesenti aprendeu a amar a voz humana pela poesia de Vinícius de Moraes. Quando era adolescente, ouvia suas músicas e declamava sua poesia. Ela se tornou fonoaudióloga e hoje tem o prazer de resgatar vozes.

Já para Maçan Guedes, a música é uma forma de deixar a energia fluir. Ou para a Gabriela Werner, que tem como missão sempre gerar impacto positivo na vida das pessoas, mas descobriu que tinha que olhar, primeiro, para dentro. Assista aqui essas e outras histórias do #minhanarrative.

O Dia Internacional da Mulher é apenas uma data, mas para muitas mulheres é o início de uma luta na busca pela sua voz há muito tempo oprimida. Aliás contar a sua história, expor suas ideias e ir atrás do que acredita é bom para qualquer pessoa, independente de gênero.

Sua narrativa pessoal pode ser o início. Para te ajudar, conheça O Mapa da Narrativa, ferramenta para ajudar no pontapé inicial e descobrir a essência da sua história e expressá-la para o mundo.

Tem alguma referência marcante pra compartilhar com a gente? Deixe nos comentários.

Ana Paula Santos
Ana Paula Santos
Jornalista e Fotógrafa de histórias de amor no Save the Love. Acredita no poder da narrativa para retratar a essência de cada pessoa e suas verdadeiras histórias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>